TCHAU CHUPETA (LIVRO)

R$ 40,00
R$ 40,00
R$ 40,00

A hora de largar a chupeta pode ser um drama! Pensando nessa fase importante na vida de qualquer criança, Arnaldo Antunes e Taciana Barros fizeram uma música para incentivar as crianças a largarem a chupeta.

Cheios de ilustrações coloridas de uma garotinha muito engraçada, a mesma que aparece no clipe da música, o livro ensina a desenvolver a consciência ecológica, mostrando quanto tempo a chupeta e outros materiais levam para se decompor na natureza e a importância da reciclagem.

E como muitos de nós já passamos por isso, Taciana Barros e a ilustradora Cláudia Briza contam de que forma conseguiram largar as próprias chupetas e ser feliz. Como diz a música, sem uma tampa de borracha para atrapalhar.

—————————————

Páginas: 40

Formato: 20,50 x 22.50 cm

Lançamento: 01/10/2011

—————————————

A chupeta é utilizada desde o período neolítico para acalmar os bebês. Também funciona como um objeto de transição, substituto simbólico do seio materno, demarcando a entrada no processo de separação do bebê de sua mãe. Nesse sentido, possui papel importante, mas sabemos que seu uso pode trazer muitos problemas para a saúde. E são muitos mesmo: desde o aumento de infecções respiratórias, até a alteração estrutural da boca, interferindo na fala e no crescimento dos dentes. Enfim, mais cedo ou mais tarde, toda criança deverá largar a sua!

Deixar a chupeta é uma fase muito importante; acompanhada de eventos como largar a mamadeira e a fralda, frequentar a escola, entre outros – representa deixar de ser bebê e se tornar criança. Ser bebê é muito gostoso, mas adquirir novas habilidades e poder fazer todas as coisas que os primos e irmãos mais velhos já fazem também é!

Existe uma perda, e é claro que para a criança não será tão simples de compreender quanto para nós adultos, mas, desde cedo, é preciso aprender a lidar com esse sentimento como algo natural, inerente ao crescimento. A ideia deste livro é ajudar as crianças e suas mães a fazerem dessa transição um momento colorido e divertido.

Dra. Juliana de Lamare